(14) 3032-1227 | Contabilidade, Recrutamento e Seleção, Consultoria, Cursos e Treinamentos

Blog

O que esperar dos impactos da Greve dos Caminhoneiros

Nossos meios de comunicação vêm, desde o início de 2018 nos perguntando “Que Brasil você quer para o futuro?” e, durante esses doze dias respondemos à altura, usando todas as câmeras nacionais e até algumas internacionais, em posições horizontais, verticais e, outras não tão retas.

Durante a greve dos caminhoneiros vimos e ainda estamos vendo diversas opiniões sobre o assunto que, para alguns foi inédito. Nunca demos tanto valor à categoria sempre criticada em estradas e, pouco valorizada em seu ofício.

  O que é a greve dos caminhoneiros?

  O movimento deu início em 21 de Maio, exigindo redução nos preços do óleo diesel – que subiram mais de 50% nos últimos 12 meses. A principal reivindicação era sobre os impostos que incidem sobre o combustível, como o PIS-COFINS, eles também exigiam a fixação de uma tabela mínima para os valores de frete.  Ao longo dos diversos dias da paralisação, as pautas foram discutidas e alguns resultados foram acordados entre representantes solicitantes e  solicitados, a fim de buscar melhorias ao cenário atual.

  Impactos na sociedade

Em curto prazo, pudemos perceber nosso cotidiano já se alterando devido à falta de produtos básicos em postos e supermercados. Instituições e escolas também suspenderam suas atividades. “A paralisação vai continuar tendo impacto na economia e pode inclusive afetar o crescimento no PIB do Estado e do Brasil, principalmente na indústria”, afirma Siqueira (Jornal MidiaMax). Os problemas no setor econômico só poderão ser confirmados nos próximos dias e meses.

  Impactos nas empresas

Dentro das organizações também sentimos o clima propiciado pela paralisação. Empresas públicas e privadas sentiram a necessidade de parar suas rotinas devido à falta de matéria prima ou de meios utilizados dos próprios caminhoneiros. Sem formas e meios para trabalhar, muitos colaboradores sentiram o movimento em suas casas, pois foram dispensados de suas atividades.

  O que nos resta?

Nós colaboradores devemos ter a calma e compreensão, o agradecimento por termos oportunidades em um país onde mais da metade da população sofre no desemprego.

As empresas por sua vez, devem considerar a atitude de conscientizar e deixar explícito aos colaboradores a situação em que se encontra, para assim, evitar problemas futuros quando a situação normalizar.

Devemos ter o entendimento de que, todos buscamos caminhar para a melhoria e, diante da situação encontrada nesses dez dias, vimos que, se uma minoria comparada a população brasileira, pode realizar vários impactos ao exigirem seus direitos básicos, o que poderá acontecer se um dia “o gigante acordar”?

Escrito por

O autor não adicionou qualquer informação a seu perfil ainda.